Paguei IPVA, IPTU, tudo em janeiro … e agora?

Boa tarde!

E agora…? Eu não sei cada um de vocês, mas eu completo pra mim a frase dizendo: “e agora … que se foda” 🙂

Janeiro é o mês das despesas: IPVA, IPTU, matrícula em colégio das crianças, material escolar e as tão sonhadas férias. Isso traz uma soma enorme de saídas da conta bancária. De todos, praticamente. Já que não há como fugir, pelo menos há como amenizar o impacto. O bom é que já sabemos que todo ano será assim. Dificilmente o calendário fiscal deixará de coincidir com o civil. A grande maioria das pessoas consegue férias em janeiro e quem tem crianças assim prefere para poder conciliar com elas. Então, qual a solução para o problema?

Tchê! Muito simples!!! Estive conversando hoje com meu barbeiro justamente sobre esse assunto. Não fui tão técnico quanto serei aqui, pois lá o objetivo era outro. Na Contabilidade, nós temos o conceito de “apropriação”. Consiste, basicamente, em você reservar, a cada mês, um valor para cobrir uma despesa que você terá uma vez por ano. Por exemplo, uma empresa pode fazer isso para poder pagar o 13° dos funcionários.

E você pode fazer isso para pagar seu IPTU, IPVA e reserva para as férias.

Como? Muito simples!

* Some IPVA, IPTU e estime o que você precisará de R$ para as próximas férias. Exemplo: IPVA = R$ 800,00. IPTU = R$ 1.100,00 e para as férias, preciso de R$ 5.000,00.Total: R$ 6.900,00.

Divida esse número por ONZE (11, eleven, once): 6900 : 11 = R$ 630,00 (arredondado).

Começando pelo seu salário de janeiro, todo mês separe R$ 630,00 e coloque em um fundo de investimentos de baixo risco. Se você não consegue separar R$ 630,00, de duas uma: ou você tem um carro ou casa acima de sua realidade; ou você está querendo tirar férias acima das suas condições.

Cuide a data de saque. Alguns você deve esperar mais dias para sacar. Por exemplo, fundos “D + 10” você pede o saque e espera 10 dias úteis para receber o dinheiro. Então, saque com duas semanas de antecedência se for o caso.

Mas por que dividir por 11 e não por 12?

Primeiro, para você ter uma reserva com folga. Segundo, para cobrir aumentos em virtude de inflação/mercado. E se você for esperto(a), vai também separar R$ 630,00 do seu décimo terceiro:

Veja como ficará o seu montante no final de 2020 fazendo isso (corrigido a 0,5%):

R$ 7.771,40 (se não usar seu décimo terceiro)

R$ 8.440,26 (se usar o décimo terceiro)

Você pode usar até dois fundos diferentes: um para as férias e outro para os impostos.

Primeiro pague os impostos.

Depois tire férias!

Com as férias, faça o seguinte orçamento: considere quantos dias você vai viajar.

Dividida o montante das férias pelo número de dias acrescido de 1.

Por exemplo, graças a esse método eu consegui R$ 6.145,00 só para as férias de duas semanas (14 dias). Vou dividir por 15: resultado de R$ 409,00 diários que posso gastar nas férias sem medo de ser feliz!

Chega de mimimi quanto a falta de dinheiro. 🙂

Recomendação para você aprender a administrar melhor os seus recursos: Livro do autor “As 9 Fases da Educação Financeira“.

Abraço.

Prof. Rivero

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo